27.1.13

Just seventeen!


Desde pequena fui acostumada a levar a vida de uma forma diferente, sempre tive que ser a mais cabeça das crianças, eu já estava engajada na igreja antes mesmo de saber que noé tinha feito uma arca, eu já era a craque de matemática antes de descobri que depois dos 14 somos adolescentes, eu já sabia o que era menarca antes de chegar nas aulas de reprodução humana, fui impulsionada a ser a que mais pensasse, a que mais receasse, a que sempre precisava escolher o melhor caminho. Me acostumei desde criança a ouvir coisas que me faziam crer que independente da idade eu já era uma pré-adulta só pela minha capacidade de entender as coisas, eu sempre fui conceituada como uma adulta precoce. Dizia rancorosamente que aquilo não era coisa que alguém devesse fazer, quem sou eu pra definir o que se deve ou não fazer?
Fiz 14, 15 e 16 pensando que teria respostas pra tudo, que o meus conceitos eram os certos, que tudo o que eu acreditava ser o correto seria o correto e nada poderia mudar o que eu achasse, graças á Deus tenho amigas perfeitas, que me abriram os olhos… EU TENHO APENAS 17 ANOS, não preciso fingir que tenho 20 ou sei lá quantos, essa é a idade de fazer besteiras, de sair por ai sem pensar pra onde se vai, de fechar os olhos as 5:00 da manhã e abri-los as 11:00, é a idade de viver, de criar problemas para que mais tarde eu os possa resolvê los , é a idade de dormi chorando e acordar sorrindo, é a idade de ir pra praia e olhar os meninos caminhando, é a idade de sentar no shopping e fofocar das minhas inimizades, por que depois que o tempo passar nada vai voltar atrás, NADA, o mundo não vai parar pra que eu possa fazer tudo aquilo que deixei de fazer.
Preciso deixar de ter um coração frio, de ser tão imaleável, se eu tenho consciência, ÓTIMO, eu só não posso me privar de coisas tão banais porque acho que hipoteticamente minha mãe não faria aquilo, eu não sou ela, não posso tentar ser, ela já teve a vez dela e já cometeu os seus erros, é a minha vez de quebrar a cara, sendo de qualquer jeito possível, não quero dizer que vou mudar o que penso, mais porque não redefinir as minha lista de coisas que quero fazer antes dos 30? eu ainda tenho tempo!

Se há uma coisa que eu não posso me permitir nunca é o simples ato de me ARREPENDER, se eu fiz aquilo é porque em algum momento eu achei que seria o melhor, então encaro meus erros de cabeça erguida e sempre olho pra frente porque olhar pra trás não nos leva a NADA!

2 comentários:

Déborah-alana disse...

Carol adorei seu texto, acho que vc falou tudo, ao ato de se arrepender é isso mesmo, em algum momento tomamos atitudes achando que são as certas, e devemos sempre erguer a cabeça mesmo, beijinhos

Carol Bortolo disse...

com toda a certeza debora.. muito obrigada.. fico feliz que tenha gostado.. bjão

Talvez Poeta © Theme By SemGuarda-Chuvas.