21.4.12

Matar a vontade de querer


 Eu acredito nas casualidades, nos encontros, nas passagens. Nas conversas que temos, nas músicas que cantamos. No que somos e nunca deixamos de ser. Eu acredito que podemos ser muito fortes, muito mais. 
 Podemos ser como todos, e o tudo pode ser capaz. Eu quero suas mãos, suas ideias e defeitos, que me ensine o seu jeito, enquanto aprende o meu. Quero que faça sentido, que seja proibido, mas que entre nós todos não exista lei. Quero ser tudo que tem graça, que tem gosto e da pra sentir. Quero o que mais me da vontade, e quero vontade pra prosseguir. Quero voar, mergulhar, morrer e matar a vontade de querer.

2 comentários:

Angel Poubel disse...

No9ssa que lindo! Amei!!Muito perfeito..
Big bj ;*
http://angelpoubel.blogspot.com.br

Carol Bortolo disse...

:)

Talvez Poeta © Theme By SemGuarda-Chuvas.