18.2.12

A palavra do ano



Mudança. Essa é a minha palavra do ano. Eu mudei, por dentro e por fora. De escola e de pensamento. Deixei de ser aquela garota ingênua, pra quem o mundo era um conto de fadas, onde todo mundo se entendia, ninguém fazia mal a ninguém, onde a falsidade era coisa de filme. Aprendi que a escola não é lugar de amigos e alegria, é lugar de estudo e amadurecimento. Onde as pessoas te apunhalam pelas costas assim que puderem. Exagero ? Nem um pouco. Descobri, de uma forma não muito boa, que a confiança é algo caro, que deve ser conquistado. Não posso dizer que deixei de ser a menina tímida que tem medo de tudo, porque ainda sou tímida e ainda tenho medo, a diferença é que os medos e a timidez deixaram de ser fúteis.Passei a ver o mundo com outros olhos, mais preparados para mudanças tão grandes, mas despreparados pra olhar pra frente, e enxergar um futuro concreto. Sempre esperei os momentos chegarem a mim, nunca fui muito de correr atrás do que eu queria.Mas isso mudou. Não posso mais ficar parada. Agora, o futuro me espera, um abismo sem fim, uma indecisão que me consome. Nada está bom, nada nunca esteve bom. Mudar, mudar e mudar. Será que isso nunca tem fim ?

Nenhum comentário:

Talvez Poeta © Theme By SemGuarda-Chuvas.