11.2.11

Desejo de Felicidade

Hoje eu acordei com o desejo de ser muito feliz, muito feliz. Mas não é felicidade qualquer. É felicidade plena, é coisa pulsante. Vai muito além desta dimensão, vai muita além deste mundo. O que eu quero adentra os sonhos e perpetua querer viver, mantém meu coração batendo, mantém meus pulmões respirando. Esperança. De alcançar o que desejo, de encontrar a felicidade quando eu menos esperar em alguma esquina, quem sabe, esquecida pela própria vida, negligenciada pelos próprios viventes. Encontrá-la em olhos claros e sinceros, em alguém de coração e peito aberto, que não tenha medo de amar. Que não tema o destino, pelo contrário, que se aposse dele e o faça valer a pena. Eu quero descobertas. Descobrir um mundo lindo e totalmente novo, no qual nenhum dia seja igual ao outro, onde eu sinta que cada segundo é único, precioso, pois. não volta jamais. certeza . saber que essa felicidade pode ser minha e que eu posso tocá-la ao estender a mão. Perceber que a minha alma respira verdadeiramante, afinal., O que eu quero é muito e ,ao mesmo tempo, muito pouco. É indefinido, é como o vento, que apenas se faz sentir. É liberdade, é amar é viver planamente, não apenas existir. É vontade que não passa, é iniquietude que me irriquieta. É deixar viver. É fazer parte, é complemento, é partilha. Comunhão. Pra você ver: o que eu quero, ainda não tem nome.




Nenhum comentário:

Talvez Poeta © Theme By SemGuarda-Chuvas.