6.12.10

Doce alma de amigo.


Faço a promessa inútil, já que provavelmente irei quebrá-la, tão logo veja você. A promessa irá se romper magneticamente, automaticamente, assim que eu olhar nos seus olhos. Não sei porque os seus olhos me incomodam tanto... são tão belos, tão sinceros, parecem tão puros e tão iluminados! Mas quando te olho, sinto-me corar, me perturbo, me embaraço, me perco, abaixo o olhar, finjo que não ligo, reviro esses mesmos olhos que olham extasiados para você. A promessa que eu havia feito... Prometi a mim mesma que iria te abraçar, te agradecer por todo o carinho, por toda a atenção. Você foi a fonte de afeto mais inesperada, mais súbita, surpreendente. A mais bela, talvez a única demonstração de apreço que recebi nos últimos tempos. Você se tornou especial quando abriu sua alma para mim e deixou que eu a sentisse, exatamente quando eu mais precisava. A alma de um amigo, tudo o que eu mais queria, tudo aquilo que eu esperava. Tão sensível, tão certo, tão bonito. Na promessa feita eu iria te olhar, dizer que você se tornou um rapaz encantador, e que me orgulho de ter te visto crescer. Diria também que descobri o quanto você é importante para mim. Tocaria a sua face, pedindo ao universo que lhe desse uma vida doce, tão doce quanto a sua doce alma de amigo. Um sentimento tão puro, tão belo, tão correto, que toca os céus. Mas sei que provavelmente não farei nada disso. Simplesmente te olharei, e quando você vier conversar comigo, terei o rosto em chamas e lamentarei a minha triste timidez.

Nenhum comentário:

Talvez Poeta © Theme By SemGuarda-Chuvas.